domingo, 17 de março de 2019

Arturo Márquez - Danzón No. 2 (Alondra de la Parra & L'Orchestre de Paris)

LAPIS - Olhando para trás e para a "vernissage".


À porta do atelier o primeiro desenho ainda no decurso do trabalho, e já na galeria o último desenho, feito imediatamente antes da inauguração da exposição ilustrando o que pode ser uma mariola ou malhão. Ficaram lado a lado. A vernissage é isso mesmo o último retoque, a última camada de verniz antes de se abrir a porta.











LAPIS - A INAUGURAÇÃO

Foi assim com a Galeria Beltrão Coelho cheia até aos degraus da escada, gente na porta de entrada a esperar vez, conversando. Gente Viva a dizer e a cantar, e a ouvir dizer poesia. 







Imagens de quase toda a exposição LAPIS.



















































































































sábado, 16 de março de 2019

Inauguração da Exposição LAPIS fotos do António Delicado
























O outro lado da pequena sala. A percepção do espanto do esforço do trabalho na pedra dá lugar à perplexidade do trabalho forçado que desconhecemos, que ignoramos e que toleramos. 
Começa pela nossa calçada portuguesa (falei a 30 de Janeiro) um trabalho forçado feito por homens agrilhoados que estavam encarcerados no Castelo de São Jorge pela década de 1840 e deu origem ao empedrado do Rossio em Lisboa, conhecido por "Mar Largo" e que tanto espantava os visitantes estrangeiros do sec. XIX pela ilusão de óptica que fazia parecer ser o pavimento às ondas, em relevo. 
O grande desenho escuro é a representação da Pedreira de Mauthausen - Gusen que tenho aqui mostrado (15 de Fevereiro) e falado em publicações anteriores.
No chão um pedaço de calçada portuguesa e o martelo conhecido por escoda, um paralelepípedo de granito semelhante ao de Mauthausen- Gusen, e uma escultura jacente do António Diogo Rosa.
À direita um plinto onde uma redoma em vidro abriga uma maceta portuguesa e um cinzel curto. O painel que está por cima tem um corpo anónimo com a farda dos prisioneiros dos campos de concentração e extermínio que o Reich Alemão produziu entre Março de 1933 e 1945 incluindo o conjunto de mais de 100 campos de concentração que hoje chamamos genéricamente Mauthausen. Nesse desenho a vermelho atrás da figura lê-se a palavra COLTAN uma abreviatura dos minérios Columbite e Tantalite que hoje produzem modernos campos de concentração e extermínio na Républica do Congo, Ruanda, Afeganistão; e desestabilizam governos legítimos de países como a Colômbia, o Brasil,  a Venezuela...

Inauguração da exposição LAPIS fotografia do António Delicado


























Da esquerda para a direita, "A pedra-que-abana",  "O Templário" escultura do António Diogo Rosa "Álvaro Góis, Rui Mamede", os desenhos "Escopro" e "Maceta Portuguesa" e a escultura Bernardo Soares. A folha na diagonal reproduz um texto do Livro do Desassossego que diz assim:


Uma pedra é mais interessante que um operário.
A dor de uma árvore que o vento abata quão mais nobre é que a angústia de um jornaleiro que morre de miséria! Ao menos morre silenciosa, salvo o (...) de quebrar-se e o baque de cair morta. Não morre dizendo asneiras sobre capitalistas exploradores e reivindicações sociais. Não é suja nem feia... E um operário mal trajado raras vezes o não é.
A funda comoção que é a alma estática dos rochedos é mais verdadeira e bela que toda a teoria socialista ou anarquista.
A canção de um rochedo pode ser asneira, pode ser que não exista. Mas as teorias humanitárias são asneiras com certeza, e sobre serem asneiras sociológicas, são asneiras de análise psicológica.
Mesmo que um monte pareça frio sempre há-de haver um poente que lhe ponha uma auréola de beleza e alheamento. E que poente nos vai dourar para pitoresco um estúpido que moureja para ganhar numa fábrica o pão de cada dia? Que ânimo orna de novidade um sub-homem que (...)
O poeta busca a beleza, não busca a (…)
E que beleza tem a dor dum proletário? Ainda quando é a dor de um aristocrata chorando...
Uma manada de operários! Se a gente [...] com demorada intensidade nauseia-se. A dor de uma mulher do povo! Uma berraria indecorosa que um ouvido musical não pode ouvir.

A inauguração da Exposição LAPIS fotografia feita pelo António Delicado.

A galeria tem uma sala maior e uma pequena sala. Na sala mais pequena foram montados os desenhos.
Com a vizinhança das esculturas do António Diogo Rosa foi necessário integrar as especificidades dos discursos individuais, unidos pela temática de fundo que dá nome à exposição, LAPIS, a pedra.
Aqui vêem-se ao fundo no chão as pedras que simulam uma mariola e o papel onde escrevi o texto aqui reproduzido no dia catorze. Nesta altura ainda me faltava desenhar sobre o papel de cenário a ilustração que daria coerência ao monte de pedras que simulava uma mariola e a sua explicação. Do lado direito o desenho maior é "A pedra-que-abana" do lado esquerdo o "Ergueram muros e "Familia". 
Em primeiro plano o Bernardo Soares do António Diogo Rosa.












LAPIS - Do catálogo, o texto apologético que não fica bem a este modesto autor.

Mas como dizia não sei quem: 
"Vamos lá deixe-se de tanta modéstia, afinal você também não é assim tão importante."

LUÍS FILIPE GOMES

Desenha compulsivamente desde criança, o seu mundo estruturado no desenho e na escrita integra a cultura tradicional e a cultura erudita nos seus mais variados aspectos. Admira tudo, tudo é digno da sua atenção, desde a forma como se esculpe em pedra, como se canta uma canção, como se coze um pão ou como se toca um piano, nada escapa à sua investigação a que dedica longas horas de estudo. Naturalmente é uma pessoa com uma vasta cultura e uma criatividade ilimitada, duma grande generosidade na partilha das suas ideias e conhecimentos. É um artista multifacetado que pelas circunstâncias da sua vida é obrigado a dividir o seu tempo por várias actividades profissionais, o que o leva a expor poucas vezes o seu trabalho, no entanto depois de um período de formação em que frequentou o Curso de Desenho do Ar.Co, fez o Curso de Gravura em Metal da Galeria Diferença,
frequentou o Curso de Desenho da Sociedade Nacional de Belas Artes, entre outros, tem participado em várias iniciativas interessantes, nomeadamente a famosa caixa de Arte de homenagem a Ernesto de Sousa PIPXOU, Ilustrou Livros e Revistas, os seus desenhos foram frequentemente publicados e premiados no DN - Jovem do «Diário de Notícias». Em 2017 Menção Honrosa da SNBA. Desenvolveu ainda vários projectos ligados à gravura, tendo participado na 8ª trienal de Chamalieres, Mondial de L’éstampe et de la Gravure Originale, em França.
Os seus trabalhos são publicados diáriamente no seu blog luisdesenha.blogspot.com
Está representado em colecções particulares em Portugal e no estrangeiro.
Tem obras em vários municípios e instituições do país: Correios de Portugal, Ministério das Finanças, CM Arruda do Vinhos, MUSA Sintra, etc.                                                                                                                                                         Beatriz Cunha, Fev. 2019




sexta-feira, 15 de março de 2019

LAPIS - O Texto do catálogo da exposição.


LAPIS em latim significa pedra.

LAPIS são pedras.
A designação pedra vem do grego e está mais ligada ao conceito de rochedo, rocha de maior dimensão.
Para o bem e para o mal as pedras acompanham-nos desde que nos identificamos enquanto humanidade. De pedra são os abrigos mais antigos e os bens mais duráveis com os quais podemos classificar as nossas origens e a nossa identidade cultural mais remota: raspadores, facas, machados, pontas de seta. Muitas destas pedras foram talhadas em pederneira, o sílex; outras em obsidiana, um vidro vulcânico que pode ser tão cortante como o melhor aço. Não pensando só em pedras duras o ocre que é uma argila vermelha ou amarela foi usado nas culturas de todo mundo na África do Sul há 160 mil anos, aqui no território de Portugal há 24500 anos, na mortalha do Menino do Lapedo, uma criança resultante do acasalamento entre um homo sapiens e um homo neanderthalensis
 Os italianos ainda hoje chamam ao lápis matita seja qual for a sua cor: lapis haematites é uma pedra conhecida em português por sanguínea, hematite é o nome que os gregos davam à pedra cor de sangue e era uma pedra de desenho avermelhada muito usada nos desenhos da renascença. O lápis-lazúli é uma pedra azul semipreciosa e era triturada até ser feito um pó fino de cor azul denso e profundo, cor também conhecida por azul ultramarino.
Há menos de um século as crianças quase não tinham cadernos, o papel para escrever era ainda caro. Nesse tempo aprendiam a escrever em pequenas pedras emolduradas em madeira de pinho. Nessas pedras de ardósia, um xisto negro e de grão fino, escreviam com lápis, também de pedra feita de um xisto cinzento mais brando.
Até há bem pouco tempo as equações matemáticas mais complexas e os cálculos mais demorados eram escritos sobre grandes quados de fina lousa com umas pedras cilíndricas naturais chamadas cré, greda ou giz que por conveniência passaram a ser feitas industrialmente a partir de gêsso e calcário.
Desta origem latina, LAPIS derivou uma família inteira de palavras. Encontram-se no nosso vocabulário termos como lápide: uma pedra funerária inscrita que assinalava ou cobria um túmulo. Ou lapidar com vários significados: no melhor deles significa uma locução digna de ser registada em pedra, no pior dos casos como sinónimo do acto de ferir ou causar a morte a alguém a quem se atira pedras.
Rodeados por LAPIS estamos ainda hoje: Uns literalmente digitais como a ponta dos nossos dedos nos visores tácteis dos computadores de bolso, outros virtuais como o nosso olhar a distância apontando o infinitamente pequeno ou o infinitamente grande.
Esta exposição pretende fazer a ponte entre a idealização e a possibilidade de concretização. Nela existe a solidão da antevisão, a responsabilidade do projecto, e o risco do erro.
Do melhor e do pior do que a humanidade é capaz fazemos a nossa reflexão. Nestes tempos paradoxais através desta exposição LAPIS tentamos separar o que é esforço do que é trabalho forçado. A perplexidade perante a natureza agreste e a construção do que é paisagem e beleza. Modestamente aventurámos fazer caminho de encontrar motivo para a Arte enquanto justificação do gesto e da razão da própria existência Humana.


quinta-feira, 14 de março de 2019

Malhões e mariolas - LAPIS- A exposição a inaugurar amanhã. Quando as pedras se amontoam.



Quando as pedras se amontoam sinalizam sempre alguma coisa. Podem ser marcos de limite de propriedade, podem ser orientações de bom caminho, podem ser ex-votos de agradecimento por graça recebida por um crente. 
Nas serras em que o solo é rochosos e mesmo a passagem continuada de pessoas não deixa pista de caminho pisado por onde seguir, é costume empilhar pedras para indicar a direcção do trilho.
Estes amontoados de pedras são no seu objectivo como as placas de direcção das modernas estradas. São sinais de orientação e destinam-se a salvar vidas. 
São construídos com base em algum ponto mais elevado e visível a distância. Podem ter só 3 ou 4 pedras, ou podem erguer-se alguns metros como uma torre.
Nas mariolas ou malhões, há pontos de mira que indicam o sentido para um e outro lado do caminho a seguir. Servem para dirigir o olhar para outra mariola que dali se avista, ou no caso de a visibilidade ser nula, se houver nevoeiro, chuva, ou falta de luz do dia, poderem ainda orientar a caminhada.
Esses pontos de mira podem ser "petadas", sulcos ou cruzes que se avivam raspando musgos e líquenes quando por lá se passa e podem estar descobertos ou tapados por outra pedra que se destaca do sítio onde está a marca.
Em alguns malhões há marcas que indicam até onde chega a altura da neve e atingindo um nível ou outro, indicam se é possível continuar a jornada ou se é melhor voltar para trás. Noutros há indicação para água de nascentes que nunca secam mesmo nos anos mais secos.
As marcas de ex-voto são notáveis por pedras que intercaladas não fazem parte da orografia local, uma pedra de granito numa terra de xisto, uma pedra polida do rio de cor diferente do local onde está depositada. Indicam que alguém carregou essas pedras como oferta de esforço sacrificial.
Por todas estas razões não devem ser empilhadas pedras sem saber o que se está a fazer, nem devem ser alterados ou destruídos montes que se encontrem feitos.

terça-feira, 5 de março de 2019

LAPIS -A exposição abre Sexta-feira dia 15 de Março de 2019 ás 18 horas, na Galeria Beltrão Coelho que se situa ali na Rua Sarmento de Beires 3A 1900-410, a meio caminho entre as Olaias e o Areeiro, em Lisboa. Para quem usa GPS a Latitude é 38,742205 e a Longitude -9,127975.

E quando se muda toda a disposição da exposição?

Para mim o espalhamento é a disposição que se dá às várias peças num espaço, o destaque que se atribui a cada uma de forma a criar uma ordem ou um caos. 
No fundo é um roteiro sequencial, uma lista.
O Umberto Eco falou e escreveu sobre essa "Vertigem da Lista".
Os espalhamentos são por vezes etéreos, por ser tão baixa a densidade das peças a observar face ao espaço que ocupam. Neste momento é ainda essa a tendência expositiva das galerias comerciais.
O meu objectivo para esta exposição tem vindo a evoluir e os constrangimentos com que me vou deparando obrigam a uma saturação expositiva que já é favorecida pela representação que adoptei face à temática destinada: "a pedra".
Mais do que isso, o espaço que eu aceitei para a apresentação das minhas peças, dos meus desenhos, já contém esse confinamento de nicho, de cripta.
Agora que a montagem da exposição se aproxima surgem as dúvidas sobre o tal espalhamento.
Mas é normal, recordo que a exposição que me deu mais trabalho e demorou mais tempo a montar, foi uma individual que fiz numa galeria que conhecia bem por ter feito o espalhamento e a montagem para muitos artistas que por lá passaram. No meu caso e em causa própria, o discernimento e a avaliação da maneira de fazer bem ficam turvos como num nevoeiro, perco perspectiva e visão global. Só os detalhes parecem contar e isso é um alerta para mim. Reparo que essa é a minha maneira de estar em processo de fuga. Um processo que me leva precisamente ao desenho, sendo através do desenho que a evasão desse estado de visão confinada se torna possível. 
No nevoeiro também impera o silêncio, daí talvez não conseguir ouvir música quando estou a desenhar, se ela estiver presente deixo de a ouvir.







segunda-feira, 4 de março de 2019

Diz quem sabe e quem melhor que o Vitor Rua. Sobre o Conan Osiris: um Criador Pop!

Conan Osiris - 100 Paciência




"Tou farta você deve é ser otário"

Pois é, ele é diferente!
E é verdade, ele é bom! 
É mesmo verdade, ele é um bom e diferente artista de variedades! 
Não me lembro de se poder aplicar a alguém esta expressão de artista de variedades ultimamente. 
Ultimamente não me lembro de ouvir alguém com tamanha carga de ironia. 
Se eu quiser falar na expressividade surreal da letra, terei de recuar até José Afonso e até ao imaginário popular; à fantasia, ao fantástico do imaginário popular.
E se falo aqui de letra é porque tenho ainda o pudor de chamar poesia à letra das canções. 
Enfermo talvez de um preconceito que classificou Ary dos Santos como letrista e não como poeta, que olhou de soslaio para os versos de Amália Rodrigues que por modéstia ou por falta de vontade em dar explicações ela deixou anónimos durante anos.
Não me venham dizer que não percebem o que ele diz, poderá parecer difícil de seguir, mas não mais do que qualquer ária de ópera cantada em português.
Sim é verdade, há óperas escritas em português e eu até nem gosto de ópera.
Mas não se pense que a "letra", aparentemente fantástica, surreal, é desligada da realidade. Vivemos num mundo em que a fantasia se confunde com o real e nunca antes foi tão palpável telefonar para o Céu. É nesse Olimpo, morada dos Deuses que entregamos os nossos dados pessoais mais privados: as fotografias dos filhos e dos netos, os momentos íntimos mais nus, aquilo que escrevemos... Agora chamamos a isso a "Cloud" e tomando a Núvem por Juno, continuamos a ser manipulados por Zeus.
As "letras" de Conan Osíris espelham a realidade, e como habitualmente a realidade não é aquela que gostamos de encarar.
Eu já fui como a "médica" da canção e julguei esta geração que agora tem trinta anos como os "sem paciência" os impacientes. Os que foram habituados a terem tudo pronto, habituados ao filete sem espinhas e à carne mastigada em forma de hambúrguer. Mas isso é o erro de paralaxe da minha geração, um erro de perspectiva que sempre existiu e que por vezes me esqueço de corrigir. 
Não falarei aqui da música. O nível de complexidade é elevado ainda que seja melódicamente fácil de escutar. Há uma sensação de travessia de um souk do Médio Oriente, de um bazar Persa. Há fragrâncias que vêm até da longínqua Índia, e por isso, ou mesmo por isso é Música Portuguesa da melhor que se faz hoje. Portuguesa e do Mundo.
Pois é, ele é bom! Apesar do bem intencionado desdém medroso com que aparentemente o apresentador parece querer defender-se e desculpar-se ao encerrar a actuação de Conam Osíris, ele é bom!

P. S. Do extraordinário bailarino que acompanha Conam Osíris nada posso dizer, não tenho capacidade de avaliação. Mas com ele o Artista de Variedades que é Conam Osíris entra em sintonia e apresenta-se sobre azul, como uma antiga e preciosa jóia de ouro.















sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

LAPIS uma exposição que "falará" da pedra e também de pedreiras que não existem (*)por isso falará também de Mauthausen.


Na imagem: Livro de apontamentos, por vezes chamam a este tipo de objecto livro de artista, sobre folha desenhada. Este tipo de desenho costuma ser chamado escrita. Trabalho para a exposição em preparação.

















(*) A expressão "que não existe" foi recolhida do poeta Joaquim Cardoso Dias que a utiliza, nomeadamente quando usa a fotografia como forma de poesia visual. 
Essa expressão aparentemente contraditória porque aparece ao lado de um registo material que é a fotografia. Parecendo até uma forma de ironia, reflecte sobre a própria natureza do que poderíamos chamar a prova. Também assume a suprema consciência da transitoriedade de tudo. O registo fotográfico do rio, a prova de que o rio existe, não constitui o mesmo rio que veremos se nele nos formos banhar. Menos ainda, será esse rio, se a fotografia ainda permanecer quando o rio já secou.










quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

LAPIS -Várias horas tem o dia e assim diferentes são as necessidades conforme a hora do dia. Exposição em obra, em obras, em andamento e em movimento retrógrado.




Várias horas tem o dia e assim diferentes são as necessidades conforme a hora do dia. Explicou-me um amador da pose que o fumar cachimbo conferia aos seus cultores. Contou-me ele que o facto dos fumadores de cachimbo utilizarem cachimbos diferentes ao longo do dia se devia à necessidade da quantidade de nicotina a absorver consoante a hora. Um cachimbo maior ao levantar para combater a privação da noite. Cachimbos mais pequenos para o dia para fumaças rápidas entre tarefas que não permitiam libertar as mãos, ou seja cachimbos leves que só se podem segurar com a mandíbula, mordendo. Cachimbos grandes para as tardes demoradas de Verão ou noites longas de Inverno em que ocupações como conversar, fazer a esplanada vendo quem passa, leitura, escrita etc. permitem segurar um cachimbo mais pesado com uma das mãos.
Assim também com os desenhos. Várias horas tem o dia e assim diferentes são as necessidades conforme a hora do dia. E há horas em que o cérebro e a mão não se entendem. 























Ergueram muros porque assim limpavam o chão de pedras e nele podiam semear Pão. Os muros também abrigavam da nortada e conservando calor guardavam da geada que ela trazia.



terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

LAPIS - exposição em andamento e a tempestade que se aproxima.


Fui convidado para uma exposição. 
As exposições são coisas de juventude. São quase como um blogue. Ter necessidade de mostrar o que se fez, o que se pode fazer; a facilidade que se tem de usar um formulário como um profissional competente, experiente e sensato que conhece técnicas e procedimentos; que aplica protocolos de qualidade e genuinidade.

Planear a disposição da exposição, "fazer o espalhamento", a limpeza de compor um espaço bonito para o qual se convidam os amigos, os amadores da arte, os possíveis compradores, os críticos...
Não tenho objectivos precisos. Uso a intuição. Arrisco o não previsível, o não intuitivo. Não discuto métodos de trabalho. A Maria João Pires terá dito que não há técnica. Acho que o que entendi do que ela queria dizer é que não é um procedimento que possibilita a comunicação de quem executa mas sim a capacidade de comunicar conseguindo executar. Independentemente das limitações ou apesar delas. Isso faz-se com trabalho e com um estado alterado de percepção em que o executante capta como uma antena e descodifica sinais simultâneamente gerando outros. Perguntas e respostas, ecos. 
No outro dia comprei um catálogo antigo de uma exposição de desenhos de muitos autores contemporâneos. Mostrei-o à Beatriz Cunha e disse-lhe que era para me lembrar da liberdade que o desenho representa uma vez que me sentia constrangido, emperrado. Ela disse-me que eu andava distraído. Aqueles desenhos que eu achava bons, eram na sua grande maioria maus. Descontextualizados do conjunto da exposição, sem o nome dos autores que os produziram eram maus. Talvez assim seja.
Há dias em que eu consigo desenhar... digamos, trinta desenhos; ou melhor dizendo, consigo desenhar por 6 ou 12 horas seguidas até me doerem os pulsos, os dedos e me arderem os olhos. Outros nada consigo executar. Então escrevo porque é para mim uma forma alternativa de fuga. Se eu estiver frente a uma paisagem é bem possível que não a desenhe, por outro lado se eu estiver  confinado, retido num local, acontece-me a necessidade de começar a desenhar. Se a paisagem estiver lá é bem possível então que eu a desenhe. 
O meu processo criativo não me leva à reprodução, à transposição da realidade exterior mas a uma forma de mergulho na realidade interior. Acontece-me uma criação ou recriação do que está para além do meio ambiente e aquém dele. Por isso eu digo que não há êrro. É nesse sentido que não há linha de contorno. Há linhas que aparecem e desaparecem, que se criam com o movimento, com o afastamento e a aproximação do olhar, com o espaço e o tempo. O risco ainda é risco quando o lápis já deixou para trás o seu bico partido ou quando já só a madeira que envolve a sua grafite continua a sulcar o papel e a deixar um rasto. A linha ainda é linha quando o pincel perdeu fora de sítio a gota excessiva inicial que o gesto da mão se esqueceu de escorrer na boca do tinteiro. E continua sendo linha quando já sem tinta o pincel se arrasta deixando intermitentemente as marcas da sua sede. E a mancha é tudo isso, numa espécie de "Kaos", que remete para a distância e para o afastamento. 
Os artistas insatisfeitos têm muitas vezes a sensação de não terem sido eles a fazer esta ou aquela peça, ainda que se lembrem de quando e como a fizeram. Acontece aí o afastamento de si mesmo, uma desapropriação, o desprendimento que constitui a essência da própria existência de tudo.







sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

O Livro de Isabel Hagos - As Cidades





         Há livros que não são para serem lidos
         São para serem ditos por quem sabe dizer.
São para serem ouvidos.
 “Os Lusíadas” assim são!
Há momentos que uma voz interior faz isso.
Alguém que amamos ouvir. A voz da amada.
A voz dos que amam os poemas, e a língua,
O João Villaret, O Mário Viegas,
A Carmen Dolores, O João Grosso,
Outros e Outros ainda...
Mas há livros que são tão torrenciais
que parecem o gorgolejar de uma artéria,
como se a carótida fosse golpeada
ou a femoral perfurada.
Há artérias e veias que são poemas e soam
às golfadas como as notas de uma folia,
uma cadência urbana, um pulsar sem tino.




LA FOLIA DOS ESTRELLAS LE SIGUEN - MANUEL MACHADO

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

LAPIS - exposição em construção. A Pedra-que-Abana.

Em Portugal, por todo o lado existem Pedras-que-Abanam.
São grandes rochedos de muitas toneladas que oscilam com um pequeno empurrar de mão. São curiosidades geológicas. As que conheço de origem granítica, são os vestígios do que não foi desfeito pela erosão da era glaciar, pela abrasão e erosão dos elementos. Algumas delas encontram-se em promontórios, à beira de grandes declives, aumentando essa impressão de fragilidade e de impermanência. O vacilar de um colosso perante um pequeno gesto. A queda eminente de um penedo medonho face a uma pequena força de alavanca faz com que estas pedras sejam de alguma maneira mágicas pela raridade do seu equilíbrio e pela simbologia que a sua situação nos suscita.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

LAPIS - Será esse o nome de uma exposição da qual farei parte lá para meio de Março com dois arquitectos que como todos os arquitectos têm uma visão global da construção do mundo. A exposição exibirá fotografia, escultura e os meus desenhos.

Ando a olhar para as pedras e as pedreiras, para as mãos que as partem e para as costas que as carregam. Ando a olhar para o chão que é uma forma de olhar para traz para o presente que se perde a cada passo. Deixo aqui um desses desenhos, das pedras da calçada, o calcário designado por vidraço. 























As exposições não costumam ter bibliografia. De facto as minhas têm sempre bibliografia. Ficam por isso aqui dois livros que trouxe da Poesia Incompleta a Livraria de Poesia do Mário Guerra ali na Rua de São Ciro, 26 em Lisboa.



Mar Largo é o nome daquele pavimento que ainda subsiste no Rossio. Terá sido executado por trabalho forçado de prisioneiros detidos no Castelo de São Jorge pelos anos da década de 1840. O pavimento de Lisboa a que chamamos Calçada Portuguesa e que já se espalhou pelo mundo deve-se à imaginação de um engenheiro militar e ao trabalho escravo dos detidos na prisão que então existia no Castelo de São Jorge. 
Claro que me lembrei de Mauthausen. 
Mas também me lembrei do meu avô paterno Luiz Gomes que era Pedreiro de ir à serra cortar o granito para a casa que construiu, e era Carpinteiro de construir soalhos e forros de tecto e era Marceneiro de fazer as rodas das noras e escadas em caracol, e Ebanista de construir cadeiras e móveis de sala. Lembrei-me dele porque tendo falhado por pouco os campos de matança da Grande Guerra o obrigaram a fazer guarda e a transportar prisioneiros para trabalhos de restauro do Forte de São Lourenço do Bugio no meio do Tejo e até lhe ofereceram um futuro na GNR, e ele não aceitou. Não aceitou ser carcereiro. Não aceitou reprimir os pobres. Preferiu voltar para a sua vida dura na Beira Alta onde ganhava o seu pão cultivando a terra.






Das Pedras

Ajuntei todas as pedras
que vieram sobre mim.
Levantei uma escada muito alta
e no alto subi.
Teci um tapete floreado
e no sonho me perdi.

Uma estrada,
um leito,
uma casa,
um companheiro.
Tudo de pedra.

Entre pedras
cresceu a minha poesia.
Minha vida...
Quebrando pedras
E plantando flores.
Entre pedras que me esmagavam 
Levantei a pedra rude
dos meus versos.







Melanie - Ruby Tuesday. Sim, foi numa Terça-Feira

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Alguns livros de 2018. Mausoléu - Hans Magnus Enzensberger


Alguns livros de 2018. "textinhos, intróitos & etc. de vitor silva tavares"


VST
Embora o livro venha forrado com o papel craft que se vê na imagem e que reproduz a  da capa,












deixo aqui a imagem parcial da forra que coloquei sobre essa forra da Pianola editores. Coisa antiga de quem aprecia os livros e os tenta proteger das porcarias e sujidades que sempre nos vêm parar às mãos.










VST Sobre Vítor Silva Tavares com maiúsculas nem me atrevo a dizer nada. Ficam os seus escritos, os livros que deixou publicados, algumas imagens filmadas de entrevistas que lhe fizeram, algumas gravações sonoras e as memórias que dele passam de boca em boca. Fica também o xemplo & etc.

56/ 25-31 é o título do livro do Esménio, ou melhor "CINQUENTA E SEIS VINTE E CINCO DA TERRA E DO RIO TRINTA E UM DO MAR E DOS VIAJANTES" um Flop (é esse o nome da editora).


Alguns livros de 2018. "Suíte e Fúria" de Rui Nunes


sábado, 29 de dezembro de 2018

Tussam sobre o pianista!

Há um filme do Truffaut que tem o nome de Disparem sobre o pianista. No outro dia assisti a um concerto em que o moto foi tussam sobre o pianista.