sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Outono



Eu gostava do Outono,
Só se pode gostar da morte quando se é imortal.
gostava das cores vibrantes de vermelho e escarlate.
Desejar a morte não é gostar da morte,
é não aguentar o sofrimento.
Os plátanos despidos tinham cumprido a sombra,
com alegria rodopiávamos até derrubar o corpo
sobre o tapete almofadado das suas folhas.
Sentia-se o sol a desmaiar morno na aragem fresca
e a água do bebedouro, já sem necessidade,
jorrava a sua curva termal fria.
Havia castanhas assadas que empanturravam
e sabiam a madeira doce fumada,
com elas a permissão temporária
para molhar os lábios com o vinho claro
que chamavam água-pé 
e cheirava a morangos.
Havia romãs com graínhas amargas
que os dentes sangravam e sugavam 
até à autorização para cuspir.
Eu gostava do Outono
não me lembrava que com ele
vinha a escola e a falta de liberdade.





terça-feira, 22 de agosto de 2017

domingo, 20 de agosto de 2017

Imagens de combate aéreo a um fogo.

As fotografias mostram as descargas no combate a um incêndio, feitas sucessivamente por uma esquadrilha de três aviões em intervalo de passagem inferior a 30 segundos. Se outras fotografias se mostrassem poder-se-íam ver no combate mais dois hidro-aviões voando em sentido contrário em mergulho de maior aproximação do solo e três helicópteros, um dos quais com acrescida capacidade de carga, um helicóptero pesado, fazendo trajectórias de direcção perpendicular às que eram feitas pelos aviões. 
No combate apeado havia Bombeiros vindos de todo o País. No ar, incluindo os helicópteros de observação e coordenação, chegaram a estar 11 meios aéreos.





















Outras narrativas do Paraíso.