domingo, 23 de novembro de 2008

Felosa

Felosas

HERBERTO HELDER

Que Viva Herberto Helder muitos mais anos.

Poemas de Adília Lopes

_________________Eu escrevo__________________ _________________pequeno-almoço______________ _________________os poetisos escrevem________ _________________almoço pequeno______________ _____________________________________________ _____________________________________________ _________________Sobre a erva________________ _________________sobre a relva_______________
_____________Dia_______________________ _____________sem poesia________________ _____________não é dia_________________ _____________é noite escura____________ _______________________________________ _______________________________________ _____________Mas a poesia______________ _____________é noite escura____________

sábado, 22 de novembro de 2008

Adília Lopes É preciso ler Adília Lopes!

Em tempos li mas sem ler, uns poemas da Adília, de fugida, sem prestar muita atenção. A envolvente cómica em que me foi apresentada não me cativou e havia nos poemas umas baratas e outras coisas tão prosaicas que não podiam ser para levar a sério. Como qualquer carrancudo sou muito exigente com as coisas que me fazem rir e não me ri.Pensei como era possível alguém ser poeta com um nome daqueles - Adília Lopes. Não me lembrei que é tão bom ou tão mau como Fernando Pessoa - Pessoa é nome de gente?- Nem dei conta que era igualmente improvável alguém poder chamar-se Jorge de Sena,ou como seria possível escolher o nome Herberto Helder para um poeta... O preconceito é um fenómeno estranho e complexo que traduz impreparação, imaturidade. Agora anos depois, encontrei uns livros da Adília e gostei muito. "LE VITRAIL LA NUIT * A ÁRVORE CORTADA " de 2006 e "CADERNO" de 2007 são dois livros da &etc que comprei e releio.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Fernando Pessoa (último ano) Azulejo

A famosa arca de Fernando Pessoa e alguns dos seus papeis originais vão à praça. Ali bem perto (300 m) de onde repousam os seus restos mortais no Mosteiro dos Gerónimos, vão ser leiloados no Centro C. de Belém para quem os queira e possa comprar. Não sabemos ainda se o Estado Português através dos Governantes e Administradores reinantes exercerá poder de opção ou sequer terá capacidade de exercer tal poder. Papel por papel o mercado está cheio de papeis e o Fernando até compreenderia que os seus, comparativamente aos de um qualquer banco descapitalizado, são menos importantes. Por isso ele que como JESUS CRISTO não percebia nada de Finanças mas conhecia a natureza dos Banqueiros e de outros seres como traças e caruncho nunca achou importante ,como JESUS CRISTO,ter biblioteca. Ambos sabiam que a certa altura morrerão os papeis as arcas e ____________ ___________ ___________ a tabuleta também, e os versos também. Depois de certa altura morrerá a rua onde esteve a tabuleta,__________ __________ __________ __________ E a língua em que foram escritos os versos. Morrerá depois o planeta girante em que tudo isto se deu. ___________ ____________ ____________inTabacaria, de Álvaro de Campos
Foi decidido ontem pela Comissão Europeia, esse Olimpo de Professores, suspender a normalização que obrigava a que 26 produtos agrícolas tivessem o aspecto de serem iguais. Boa notícia para os produtores de miniaturas e Fenómenos do Entroncamento que antes desaproveitavam a sua produção ou tinham de a desbaratar. Contudo como estas decisões de gente ínstruída nunca são fáceis nem precipitadas, a medida só produzirá efeito a partir do próximo verão. Têm tempo assim os produtores de pré-avisar os laboratórios de genética que com eles trabalhavam e se atarefavam na procura da cenoura cilindro perfeito, na Beringela sem curvatura, na fava sem casca e sei lá que mais. "Porreiro Pá!"

O Sr. Professor Baptista

Baptista = Bapetista: como bala; pe como em cape; tista como em artista

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Ao senhor professor Baptista com reconhecido apreço pelo contributo que deu para a formação da minha personalidade e a todos, mas todos, os senhores professores que fazem deste País um País grande e ditoso apesar de pequeno no tamanho. Refiro-me aos senhores Professores que na melhor tradição da tele-escola nos chegam sobretudo pela televisão,não me refiro aos que aparecem por breves segundos em alguma manifestação,mas sim aos que falam e sabem tudo: da glória histórica da História, à glória futebolística do Futebol, do Comentário Político à própria Política e nos provam que somos grandes.__________ __________ __________ O Baptista trajava fatos escuros riscados a tira-linhas. Hoje continuaria a estar na moda. O Baptista vestia terno e relógio com corrente no bolso do colete. O Baptista tinha caspa. O Baptista tinha pouco cabelo. O Baptista puxava a guedelha de orelha a orelha para tapar a calva. O Baptista fumava Porto ou Português Suave. Fumegava pelas ventas como um dragão. O Baptista não travava o fumo deitava o fumo pelo nariz - -dizia ele que assim não fazia mal aos pulmões. O Baptista não percebia nada de fisiologia. O Baptista tinha dedos amarelos. O Baptista tinha dentes de ouro e dentes amarelos. O Baptista coleccionava lápis com publicidade. O Baptista andava de bata branca desabotoada. O Baptista andava sempre com uma cana na mão. Apoiava nela o queixo ou o sovaco à laia de pastor. O Baptista via-nos como o seu rebanho e batia-nos com a cana até ela se desfazer. O Baptista reparava as canas que se rachavam com rolos de fita gomada. O Baptista escolhia os alunos ricos para as carteiras da frente. O Baptista sentava os alunos com mais dificuldades nas carteiras do fundo da sala. Os que não aprendiam com facilidade ou que eram pobres tinham as últimas filas. O Baptista tinha uma régua com dois dedos de espessura. Massacrava linhas do destino e nós dos dedos que teimavam em se enrolar com medo. Sabia bem o Inverno e os ferros gelados das carteiras para sarar as mãos a arder. O Baptista tinha um radiador eléctrico incandescente só para ele. O Baptista obrigava-nos a ajoelhar nos degraus do estrado frente ao quadro de ardósia. Batia-nos na nuca com o peso morto das manápulas aneladas. Puxava-nos as orelhas até à cor vermelha do seu rosto colérico… E o som da sua fúria ser um zunido. Quando houve uma epidemia de cólera o Baptista mandou chamar os pais dos alunos. Os da fila da frente. Os pais que eram médicos. Foi assim que à sorrelfa arranjou vacinas para si, para a mulher que era professora no piso debaixo e para os filhos. O Baptista recebia envelopes que os pais dos alunos lhe entregavam em vassalagem no Natal, na Páscoa e no final do ano. O Baptista como um senhor feudal prometia protecção e indulgência. O Baptista era um desportista. Lia jornais desportivos e uma vez por ano toda a classe fazia actividade ao ar livre: puxávamos uma corda saltava-mos em comprimento e pontapeava-mos uma bola no recreio onde no resto do ano era proibido jogar à bola, excepto para a outra classe que tinha recreio a outra hora e era a dos alunos do Sr.Director. O Baptista ensinou-nos a falar estrangeiro “love”, “peace”, “kiss me” as palavras que uma rapariga “meia fraquinha da cabeça meio desavergonhada” tinha escrito na sua mala e em crachás que usava na lapela. O Baptista era um apreciador de arte e falou-nos de Picasso. Dirigiu-se ao quadro fez uma garatuja e sentenciou: -se fosse o Picasso a fazer estes riscos eles valeriam uma fortuna! O Baptista fez-me acreditar que eu era um aluno sofrível, no entanto passei de classe sempre 17, 19, 18 (numa escala de máximo 20) e no exame final da 4ª classe tive Bom.