quinta-feira, 17 de junho de 2010

Operário da construção, operário sem tostão.

5 comentários:

direitinho disse...

Se tiver saúde e vontade de trabalhar
os operários da construção ganharão muito tostão.

Luis Filipe Gomes disse...

Certamente que sim mas também se o patrão lhes pagar, se não caírem de nenhum andaime, ou se nenhum andaime lhes cair em cima etc.

Zélia Guardiano disse...

Luis, amigo!
Adorei o teu desenho (aliás, como sempre)! Magnífico!!!
Agora, se tu vivesses aqui na nossa terrinha, o título do trabalho não coadunaria com a imagem... Para que isto acontecesse, terias de desenhar um professor, a alfabetizar crianças, e intitular assim:" Professor em ação, funcionário sem tostão".
Luis, o tratamento dado aos profissionais de educação, aqui no Brasil, é desumano! Professores são tratados, pelos governantes, com o mais profundo desprezo. "Eles" querem um país de analfabetos, daqueles que votam colocando as impressões digitais no documento, daqueles que trocam votos por cestas-básicas, por bolsa-escola, por bolsa- família, por vale-gás, pora vale-alimentação, por vale-preservativo, por vale-picolé, etc., etc., etc... Educação? Ora, educação...Promoção social? Ora, promoção social... Povo educado , socialmente promovido, seria um entrave para as maracutaias do tipo dinheiro na cueca...
Bem, querido, perdoe-me pelo desabafo!
O que importa, qui, é que você é um desenhista e tanto! E outro tanto!!!
Grande abraço

Luis Filipe Gomes disse...

Querida Zélia não se deixe apanhar pela imagem. "O operário da construção, (...)" É "O operário em construção" de Vinícius de Moraes poema escrito há mais de 50 anos e que é um marco na nossa língua e na análise do desenvolvimento das nossas sociedades. O poema de Vinícius não tenho dúvida de que seria proíbido na China de hoje como foi proíbido no Portugal da ditadura de antes de 1974. O operário em construção é metafóricamete a consciência individual e colectiva de todos os que são explorados na mina, na fábrica, na terra ou na interdição da terra, na escola, no hospital, na Universidade etc.
Hoje, infelizmente, assistimos à aplicação do modelo de desvalorização do trabalho deslumbrados que estamos com a cibernetização e a robotização das actividades humanas. Contudo a grande massa de seres humanos continua sendo explorada e encarada pelo poder e a finança como bem descartável de fonte inesgotável tal como toda a Natureza. Há quem fale em salvar o Planeta; engano deles que ainda não entenderam nada, o que é necessário é parar a destruição do ecossistema que nos permite a vida.
Deixar de comer hamburgers de carne triturada é uma medida de educação escolar de ensino básico,
e eu acho que é mais revolucionária que todos os movimentos revolucionários dos anos 60. Possivelmente causará maior retaliação do que aquela que foi usada contra todos os movimentos de guerrilha desse tempo.

Lilazdavioleta disse...

Falando apenas nos traços , pois o subjacente já aqui foi falado , e bem , gosto muito .

Maria